segunda-feira, 27 de junho de 2016

A morte e os mistérios que transcendem o tempo



Com a mística semelhante ao nascimento, a morte surpreendeu e surpreenderá a todos que teve o privilégio de nascer e que trouxeram consigo a condenação irremediável a todo o ser vivo que já começa a morrer a cada segundo desde que despertou pra vida.
Ao contrario dos risos de satisfação provocados pela emoção dos que esperam o nascimento de seu rebento, a morte dilacera profundamente a emoção dos que sentem perder um ente querido, levando a diversas reflexões. O que é a vida? A imortalidade é tudo que temos? Será que a vida por ser tão grandiosa, a natureza nos deu a oportunidade de vivencia-la conscientemente com a intensidade onde a todo momento agimos como se fossemos eternos, construindo um caminho de projeções por onde diversas gerações vem trilhando, manifestando seus apegos e egos, vaidade alimentada pela ilusão de que somos capazes de dominar a vida sem jamais imaginarmos que é impossível pensar na vida sem imaginarmos a morte.
É como se existisse um pacto que transcende a nossa compreensão, esse pacto em uma analise filosófica, podemos imaginar, foi entre a vida com a vida e a morte o terceiro elemento que aproximaria o homem da eternidade como uma ponte que separa o homem de um estagio de vida ilusória semelhante a uma miragem para vivenciar o que ele é, a pura energia do universo. Mas como entender o universo e as diversas essências incompreensíveis onde o maior mistério para nós é a vida?
Algumas filosofias de conhecimento espiritual relatam que vivemos diversas vidas em varias encarnações, outros livros religiosos determinam que o ser consciente permaneça após a morte em um estado de profundo sono e ressuscitará em um momento especial que chamam de juízo final, outros acreditam que regressamos para diversas estancias no universo. Há uma frase incrível que nos leva a refletir, escrita na bíblia, pronunciada por Jesus Cristo: ‘Na casa do meu Pai há muitas moradas”(João 14-2) essa frase nos transporta a profunda e mística dimensão do universo, pois acredito que o universo manifesto ao nossos olhos de forma física e em sua essência espiritual na dimensão da metafisica define a nossa migração para essa existência e a transição para um campo dimensional onde as diversas moradas citadas por Cristo é um lugar para cada um segundo a sua consciência e a essência do amor plantada como semente enquanto vivenciávamos a vida terrena, pois tudo é o universo e o planeta terra também é apenas uma das moradas em um curto período de nossas vidas.

Se a morte nos assusta construindo pavor, acredito que pra nascermos não foi diferente, afinal todo bebe chora quando surge pra essa existência.


Carlos Reis Agni

Nenhum comentário:

Postar um comentário