sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Ansiedade - Herança histórica derivada do medo Como superar?




Esta claro, que em tudo a um preço a ser pago, e não é diferente com a nossa escalada evolutiva no campo emocional que nos define como animais racionais, predestinados a sapiências, ou seja, o salto da condição de demência, onde  a evolução fez emergir da irracionalidade, para o despertar do intelecto.
Esse caminho trilhado pela humanidade naturalmente, os envolveram nos fragmentos das arestas psíquicas e emocionais, pois entre os diversos sentir psíquicos emocionais, esta o medo como fator predominante nas atitudes tomadas e nas tentativas se precaver a um possível acontecimento não desejado, pois só nós seres humanos podemos projetar no imaginário o amanhã com reservas, no que pode vir a ser danoso para o futuro.
A pré-avaliação do amanhã e de algo esperado seja positivo ou negativo, surge no emocional o sentimento de medo que é causado pela insegurança, à incerteza daquilo que virá. Inevitavelmente causando no individuo a sensação incômoda de ansiedade, que em determinados casos, de pessoa pra pessoa, apresenta-se com uma maior intensidade, levando as reações físicas, como sintomas diversos: mal estar, irritabilidade, sensação de vazio no estômago, coração batendo acelerado, medo intenso, aperto no tórax, transpiração, etc., ao ponto de levar muitas pessoas a ter prejuízo no campo profissional, familiar e outros.

Mas ao avaliarmos esse sentir de origem emocional, a exemplo do medo, benéfico a continuidade da espécie e altamente prejudicial quando se torna compulsivo ao ponto de causar pânico e fobia de diversas ordens, quando se chega a esse estágio á extrema necessidade da procura por ajuda, que pode ser através de um profissional que atue na área da psicologia ou da busca de um alto equilíbrio, por meio da construção de um caminho espiritual religioso ou não,  onde o individuo passa a buscar a alto construção de si mesmo, passando a dominar o que antes era incontrolável em seu ser, pois a ansiedade é derivada do medo, real ou imaginário, um medo de algo que muitas vezes o individuo nem sabe o real motivo, a todo momento ele viciosamente projeta um sofrimento no seu imaginário, antecipando uma dor ainda não existente, o tornando inseguro e totalmente negativo, capaz de se tornar um derrotado, depressivo, antes mesmo de tentar superar os altos obstáculos de si mesmo, como também os obstáculos reais do dia-a-dia que todos vivenciam para o aperfeiçoamento de sua personalidade no tocante aos valores da maturidade humana, que resulta no que chamamos de experiência.
Ao voltarmos a nossa atenção para um sábio texto bíblico, do evangélico, “Não vos inquieteis com o dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo” Mat. 6-34. Este texto define bem que o amanhã pertence ao mistério, ou seja, Deus, e que nós conscientemente temos que viver o agora, esquecendo totalmente do passado e evitando nos sobrecarregar com o futuro, pois ainda não veio, e lembrando-nos o que importa do passado foram as experiências vividas que nos tornaram mais sábios, pois a nossa personalidade é lapidada pelas descobertas das vivencias do dia-a-dia, construindo superação de nós mesmos, só assim poderemos sobreviver com total domínio sobre as nossas emoções e assim nos projetar rumo à conquista material e espiritual do nosso ser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário