sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Suicídio... A guilhotina da esperança


Em momentos, parece imaginável alguém tomar à sórdida e amarga decisão, tirar a sua própria vida. Na lei natural da existência, sobreviver é a regra máxima, pois está registrado em nosso código genético, mas quando o homem em seu salto evolutivo passou a tomar decisões segundo as suas próprias escolhas, os seus instintos foram subestimados pelas suas ações racionais, motivadas por fatores de ordens emocionais e psíquicos, onde estas diversas descargas provocadas por sentimentos de diversas ordens, leva o individuo a agir segundo o clima do momento, e na tentativa de se livrar do fardo que o julga insuportável, ele busca no suicídio, a fuga, uma espécie de libertação idealizada pela sua mente em conflitos.
Os motivos não importam, pode ser considerado negligente, banal, e visto como fraco, precipitado ou até egoísta. Para o suicida, não importa o que pense, pra ele só existe o seu mundo, um lugar obscuro e amargo, onde a angústia criaram grades e aprisionaram a sua alma, lhe distanciando das expectativas de felicidade, que vem de diversos fatores: realizações financeiras, amor correspondido, harmonia familiar, estes fatores primários trazem consigo vários secundários que desencadeiam uma tormenta diversos de conflitos emocionais.
É valido lembrar que mais de um milhão de pessoas cometem suicídio a cada ano, tornando-se esta a décima causa de morte no mundo. Trata-se de uma das principais causas de morte entre adolescentes e adultos com menos de 35 anos de idade. Entretanto, há uma estimativa de 10 a 20 milhões de tentativas de suicídios não fatais a cada ano em todo o mundo, sem citar as causas ideológicas extremas. Em todo o mundo as taxas de suicídio aumentaram 60% nos últimos 50 anos, principalmente nos países em desenvolvimento. As maiorias dos suicídios do mundo ocorrem na Ásia, que é estimada em até 60% de todos os suicídios do planeta. Segundo a Organização Mundial da Saúde, China, Índia e Japão podem ser responsáveis por 40% de todos os suicídios no mundo.  Nos Estados Unidos, a taxa de suicídios está aumentando pela primeira vez em uma década, enquanto que no Brasil, regionalmente, o índice é semelhante ao de países com maiores taxas do mundo, principalmente no Rio grande do Sul e Mato Grosso do Sul.
Há um provérbio que diz: A vida não tem sentido, é preciso que você dê um sentido a elase você aguardar o surgimento do próximo amanhecer, perceberá que a vida sempre dá uma nova chance para que possamos encontrar o caminho. Se permita a ver a vida por outra ótica, e você encontrará a felicidade.
Por Carlos Reis Agni

Um comentário:

  1. Se ja é triste uma pessoa acabar com a vida de outra, imagine acabar com a propia vida... é muito triste essas estimativas... as pessoas tentam fugir de seus problemas acabando com uma unica chance q tem de viver, de aproveitar sem ao menos tentar.

    ResponderExcluir