quarta-feira, 27 de julho de 2011

O inevitável amanhã


Nem todas as fórmulas podem expressar o que sinto.
Dentro de mim existe um ponto de interrogação,
Um surrealismo que pulsa ritmado
Com as batidas viciosas do meu coração.
Se olhares nos meus olhos verás um oásis devorando o deserto,
Mas apenas te peço que fiques do meu lado.
Não queiras me entender,
Não tente decifrar o meu silêncio.
Se, por acaso nuvens negras ofuscarem o sol,
Não temas, pois, o amanhã é certo e ninguém pode calar.
Se ele não surgir para ti, não lamentes...
É o agora que te pertence

Carlos Reis Agni

Nenhum comentário:

Postar um comentário